Pular para o conteúdo principal

Dia da Araucária

A Araucaria angustifolia, conhecida popularmente por pinheiro-brasileiro ou pinheiro-do-paraná, é uma espécie que se destaca nas florestas, principalmente da região Sul do Brasil. A  Lista Vermelha da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), divulgou em 2013 uma lista de 27  árvores mais ameaçadas em todo o mundo. A Araucária é a única indicada como criticamente ameaçada em lista internacional. A espécie já perdeu 97% da área original e a variabilidade genética está comprometida, segundo pesquisadores. A cobertura destas árvores correspondia a cerca de 40% da floresta ombrófila mista, que compõe o bioma da mata atlântica.
 
Por ser uma espécie madeireira de grande valor comercial e sua semente (pinhão) constitui um alimento muito nutritivo e energético apreciado pela fauna e na culinária brasileira. Além da intensa exploração madeireira e de suas sementes, a araucária sofre pela redução de seu habitat devido ao avanço da fronteira agrícola e a construção de hidrelétricas, fatores que a colocam na categoria "Em Perigo" de extinção, de acordo com o Livro Vermelho da Flora do Brasil: http://cncflora.jbrj.gov.br/LivroVermelho.pdf

Hoje (24 de junho) é o “Dia da Araucária”. Originalmente a árvore símbolo do Paraná ocupava 40% do território do estado, ou seja, 73.780 km². Agora restam apenas 2% desse total. A araucária é nativa da Mata Atlântica brasileira e está ameaçada de extinção.

O último diagnóstico oficial do Paraná, elaborado pela Secretaria do Meio Ambiente foi  publicado em 2004, mostra a situação das florestas em estágio inicial de conservação totalizam 14,04% da área do bioma no Estado. As florestas com araucárias em estágio médio de sucessão, que passaram por uma degradação intensa, mas ainda guardam um pouco da diversidade florística e de formas de vida, representam 14,47% da área do bioma no Estado. Já as florestas em estágio avançado de sucessão, que representam as florestas de maior diversidade, correspondem a apenas 0,8% da área total de florestas com Araucárias no Paraná.
E o que está sendo feito para reverter essa situação? Muito, muito pouco. Em 2005, o governo federal criou seis áreas de proteção à Floresta com Araucária nos estados do Paraná e Santa Catarina. Até hoje, não houve desapropriações, já que o governo não indenizou as famílias que deveriam deixar essas terras. “O governo é omisso!”, critica o ambientalista Mauricio Savi. 

Em 2010 o conhecido fotógrafo da natureza, Zig Koch lançou junto com sua esposa e jornalista Maria Celeste Corrêa, o livro 'Araucária – A Floresta do Brasil Meridional', pela Editora Olhar Brasileiro. O livro revela: “À exceção das áreas derrubadas com finalidade agrícola, as outras vêm sofrendo o corte seletivo da madeira, no qual são derrubadas apenas as árvores mais frondosas – e que alcançam maior valor no mercado clandestino. As toras são retiradas por estradinhas secundárias, muitas vezes à noite ou nos finais de semana, para tentar driblar a fiscalização”.

Zig mostra através de suas poderosas 175 fotografias publicadas no livro a força da araucária, Maria Celeste traça um texto conclusivo sobre a tragédia que se abate sobre esse importante ecossistema do sul do país. “Infelizmente, não é só a floresta que está morrendo. Quando um papagaio voa quilômetros e mais quilômetros para encontrar o alimento que deveria estar na floresta, e não o encontra, ele acaba morrendo porque não tem mais forças para fazer o caminho de volta”, conta a jornalista

Enquanto a ineficácia das políticas públicas só aumenta a dor da floresta, algumas iniciativas isoladas de organizações não-governamentais tentam minimizar o problema. Um desses exemplos é o do Programa Florar, criado pelo Instituto Agroflorestal Bernardo Hakvoort (IAF), que conta com o apoio ONG The Nature Conservancy (TNC)*. Fazem parte do programa 170 produtores rurais do município paranaense de Turvo, que decidiram investir na exploração sustentável de produtos não madeiráveis.
 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Onde descartar lixo tóxico e eletrônico em Curitiba

O que é o lixo tóxico?



Lixo tóxico são os resíduos que queremos jogar fora mas que são constituídos de compostos químicos nocivos ao meio ambiente. Por isso eles não devem ser descartados junto com o lixo doméstico e precisam de tratamento e acomodação especial.
Quem são eles?
Pilhas, baterias de carro, baterias de celular, tintas de parede, tintas de impressoras, óleo de cozinha, remédios vencidos, inseticidas, lâmpadas fluorescentes
Quais são os riscos?
Os riscos e os problemas da falta de acomodação adequada ao lixo tóxico é a contaminação do solo e do lençol freático, além da emanação de gases que poluem o ar.
A decomposição dos resíduos sólidos depositados em aterros sanitários produzem o 'chorume', um líquido escuro e altamente poluente, resultado da alta concentração de matéria orgânica, metais pesados e de substâncias recalcitrantes (materiais que demoram muito para se decompor, como vidro, plástico e isopor).
Legislação


Reutilização rodas de bicicleta

A criatividade é inesgotável! Assim como são os recursos para colocá-la em prática. Já dizia o químico francês Lavoisier, 'Na natureza, nada se perde, tudo se transforma' sendo reutilizado ou reciclado, a transformação do uso dos materiais e formas já prontas é encontrada em todos os lugares. Nossas amadas bicicletas quando ficam velhas, fornecem peças que podem se transformar em pequenos objetos de decoração até móveis maiores e outras invenções.




Mesa adaptada às rodas de bicicletas e sua mobilidade


Suporte de mesa criado a partir das rodas de bicicletas

Frans Krajcberg: reutilização de madeira

"O artista sem fronteira, para nosso orgulho, vive aqui", diz a placa de boas-vindas na entrada de Nova Viçosa, no extremo sul da Bahia. A pequena cidade foi eleita pelas baleias-jubarte como o destino anual de inverno e também por Frans Krajcberg como sua casa definitiva. Mas, quando se convive um pouco mais de perto com esse escultor e poeta da natureza, fica estranho imaginar que alguém tão livre tenha um CEP. "Sou um homem do mundo. Nasci e tenho o direito de viver nele", afirma Krajcberg, que cresceu na Polônia, perdeu a família na guerra e chegou aqui aos 27 anos, sozinho e com medo das pessoas. "Na Hungria, vi uma montanha de lixo num campo de concentração. Cheguei mais perto e eram corpos empilhados."

Tamanho horror explica sua felicidade quando conheceu a natureza brasileira. "Ela me salvou. Sorria para mim e nunca perguntava de onde eu vinha ou que religião tinha. Foi quando descobri a vida." Hoje, Krajcberg mora num resquício de mata …