Pular para o conteúdo principal

Como fazer sacola de jornal

As sacolas de plástico demoram pelo menos 300 anos para sumir no meio ambiente. Em todo o mundo são produzidos 500 bilhões de unidades a cada ano, o equivalente a 1,4 bilhão por dia ou a 1 milhão por minuto. No Brasil, 1 bilhão de sacolas são distribuídas nos supermercados mensalmente - o que dá 66 sacolas por brasileiro ao mês.

No total, são 210 mil toneladas de plástico filme, a matéria-prima das sacolas, ou 10% de todo o detrito do país. Não há dúvida: é muito lixo. E como substituir as sacolas de plástico que sempre acomodaram o nosso lixo? Algumas alternativas estão sendo adotadas. 

Substituir por sacolas feitas com jornal é uma ótima opção. O jornal não contém aditivos químicos e é de facílima decomposição. Bastam alguns dias e ele está desfeito. 

É muito fácil de fazer. Veja abaixo os passos e tente reproduzir na sua casa:

1) Tudo começa com um quadrado, então faça uma dobra para marcar, no sentido vertical, a metade da página da direita e dobre a beirada dessa página para dentro até a marca. Você terá dobrado uma aba equivalente a um quarto da página da direita, e assim terá um quadrado.



2) Dobre a ponta inferior direita sobre a ponta superior esquerda, formando um triângulo, e mantenha sua base para baixo.


3) Dobre a ponta inferior direita do triângulo até a lateral esquerda.


4) Vire a dobradura “de barriga para baixo”, escondendo a aba que você acabou de dobrar.


5)Para fazer a boca do saquinho, pegue uma parte da ponta de cima do jornal e enfie para dentro da aba que você dobrou por último, fazendo-a desaparecer lá dentro.


6) Sobrará a ponta de cima que deve ser enfiada dentro da aba do outro lado, então vire a dobradura para o outro lado e repita a operação.



7) Se tudo deu certo, essa é a cara final da dobradura:


8) Abrindo a parte de cima, eis o saquinho!


9) É só encaixar dentro do seu cestinho e parar pra sempre de jogar mais plástico no lixo!


Uma alternativa criativa que você pode fazer em casa =)

Não entendeu nada? Assista o vídeo e veja como fazer a dobradura:
              

(Imagens e texto retirados do Blog Coletivo Verde)








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Onde descartar lixo tóxico e eletrônico em Curitiba

O que é o lixo tóxico?



Lixo tóxico são os resíduos que queremos jogar fora mas que são constituídos de compostos químicos nocivos ao meio ambiente. Por isso eles não devem ser descartados junto com o lixo doméstico e precisam de tratamento e acomodação especial.
Quem são eles?
Pilhas, baterias de carro, baterias de celular, tintas de parede, tintas de impressoras, óleo de cozinha, remédios vencidos, inseticidas, lâmpadas fluorescentes
Quais são os riscos?
Os riscos e os problemas da falta de acomodação adequada ao lixo tóxico é a contaminação do solo e do lençol freático, além da emanação de gases que poluem o ar.
A decomposição dos resíduos sólidos depositados em aterros sanitários produzem o 'chorume', um líquido escuro e altamente poluente, resultado da alta concentração de matéria orgânica, metais pesados e de substâncias recalcitrantes (materiais que demoram muito para se decompor, como vidro, plástico e isopor).
Legislação


Reutilização rodas de bicicleta

A criatividade é inesgotável! Assim como são os recursos para colocá-la em prática. Já dizia o químico francês Lavoisier, 'Na natureza, nada se perde, tudo se transforma' sendo reutilizado ou reciclado, a transformação do uso dos materiais e formas já prontas é encontrada em todos os lugares. Nossas amadas bicicletas quando ficam velhas, fornecem peças que podem se transformar em pequenos objetos de decoração até móveis maiores e outras invenções.




Mesa adaptada às rodas de bicicletas e sua mobilidade


Suporte de mesa criado a partir das rodas de bicicletas

Frans Krajcberg: reutilização de madeira

"O artista sem fronteira, para nosso orgulho, vive aqui", diz a placa de boas-vindas na entrada de Nova Viçosa, no extremo sul da Bahia. A pequena cidade foi eleita pelas baleias-jubarte como o destino anual de inverno e também por Frans Krajcberg como sua casa definitiva. Mas, quando se convive um pouco mais de perto com esse escultor e poeta da natureza, fica estranho imaginar que alguém tão livre tenha um CEP. "Sou um homem do mundo. Nasci e tenho o direito de viver nele", afirma Krajcberg, que cresceu na Polônia, perdeu a família na guerra e chegou aqui aos 27 anos, sozinho e com medo das pessoas. "Na Hungria, vi uma montanha de lixo num campo de concentração. Cheguei mais perto e eram corpos empilhados."

Tamanho horror explica sua felicidade quando conheceu a natureza brasileira. "Ela me salvou. Sorria para mim e nunca perguntava de onde eu vinha ou que religião tinha. Foi quando descobri a vida." Hoje, Krajcberg mora num resquício de mata …